20 de abril de 2011

desabafo do coração, reflexo da razão.


X senta-se, depois levanta-se. Enche de passos o corredor exíguo, abafado, quase sufocante. Y roda impacientemente, entre os dedos, a sua garrafa agora vazia. Cruza e descruza as pernas, arranja-se na cadeira de madeira gasta, reles, tentando encontrar conforto onde nunca houve nem haverá. M suspira, abre o seu caderno e arranca violentamente uma folha. Começa a escrever suavemente e as gotas de suor que lhe caem do rosto tingem e misturam-se com a tinta que suporta as palavras. Palavras de raiva, de amor, amizade? Não se sabe. R chegou, olha em volta, sente-se desorientado. Provavelmente não esperaria que tal ambiente lhe pesasse tanto nos ombros, que quase o empurrasse de encontro ao chão de tacos levantados, empoeirado, sujo. Q olha X de cima a baixo, focando-se com mais pormenor no rosto. Deve conhecê-lo de algum lado, contudo, tudo se mantém constante, nada acontece. Como se todos fosses bichos embalsamados arrumados em prateleiras velhas, esquecidas algures no tempo, no espaço.
E eu que sou vidro partido na pedra, que senti os nervos à flor da pele, que estalei, estou aqui sentada a escrever. De vez em quando quebro. Aí pego nas letras e amarro-as umas às outras debaixo do chicote do meu pensamento, da minha imaginação. Escrevo para me reencontrar, para que os meus pedaços voltem a formar uma unidade. Não quero ser como as pérolas do colar que arrebentou e que agora estão dispostas, aleatoriamente, no chão à espera que alguém lhes confira uma ordem própria, um rumo.
Não sei quantos tique-taques serão necessários até tudo voltar à normalidade, por isso escrevo e sou livre. Escrevo e amarro palavras. Escrevo e conserto o que está partido. Escrevo e quebro o que inútil.
Vem molhar-me chuva, vem ser a catarse da minha razão. Beija-me amor, leva-me daqui, leva-me para onde os teus beijos quiserem. Mas leva-me. Abraça-me, faz com que eu sinta que consigo tocar, agarrar o que nos envolve. Quero sentir-te comigo, quero sentir-te mais do que nunca. Preciso de ti. Sem ti a vida fica distante e o sorriso não volta. Sem ti tudo é negro. Sem ti não vale a pena. És a minha Vida.

27 comentários:

Mónica Monteiro disse...

Está tão lindo :)

Isabel disse...

Está LINDOOO!

rita mp disse...

Oh, obrigada querida *.*

Cath disse...

é de uma amiga. também adorei, é tão fofinho. adoro corações.

Inês Carvalho disse...

Obrigada $:

NiSousa disse...

Que giro xb São stores de quê?
Obrigada minha querida. Gostei muito do teu texto :)

NiSousa disse...

Ahah, se calhar ainda vou ter o pai do teu namorado como meu stor xD Se não entrar em Relações Internacionais (que é o mais certo -.-') entro, de certeza, em Comércio Internacional, e vou ter Matemática xD

Cath disse...

eu acho que em colar não tenho nenhum. que tristeza :'
já disse que esta parte final do teu post me deixou encantada ?

NiSousa disse...

Sim s: Oh nãooo, estou feita então, não tenho matemática há 3 anos =O Tive MACS (Matemática Aplicada às Ciências Sociais) durante dois anos mas isso é muito básico..

Cath disse...

"e eu que sou vidro partido na pedra..." adorei, adorei. que encanto.
aquilo foi tudo inventado, nem sei como é que me lembrei (:

NiSousa disse...

Línguas e Humanidades para ser mais precisa. O meu erro foi chegar à conclusão que a média para Relações Internacionais era muito alta tarde demais -.-'

Cath disse...

ainda bem que assim é. espero mesmo que esse amor dure!

inês disse...

está mesmo bonito!

' kaaa, disse...

gostei do blog (:

vou seguir-lo , gostava que segues o meu também :$

RITA VIEIRA disse...

amei *

NiSousa disse...

Sim, é o que tenciono fazer. Obrigada pela força (:

Cath disse...

de nada :)

NiSousa disse...

Obrigada querida :')

' kaaa, disse...

obrigada (:

• cláυdiaӘomes. disse...

LINDO *.*
ainda bem que gostaste querida (:

• cláυdiaӘomes. disse...

e o teu? Está lindo também amor!

• cláυdiaӘomes. disse...

não não :c

Catarina Ferreira disse...

Segui *-*
Segue-me também*

• cláυdiaӘomes. disse...

ainda bem que concordas querida *.*

Gabriela disse...

Que texto mais lindo! Amei, amei! *.*
Mesmo, e eu choro com tanta facilidade, credo :|

Catarina Ferreira disse...

ahahah
parece que siim :D

inêsmorais ' disse...

Blog porreirinho :)

Estou a seguir :)

[ps. passa pelo meu ^^]